Gradiente voltará ao mercado

Fora do mercado desde 2007, quando passou por maus momentos financeiros e paralisou a produção, a Gradiente relançará seus eletroeletrônicos ainda no primeiro semestre deste ano, e já planeja suas primeiras ações publicitárias, que estão a cargo da NBS.
A agência iniciou os trabalhos com a empresa no início de 2012 e cuidará de atendimento, planejamento, criação, produção e veiculação de todas as peças publicitárias da marca, assim como toda a estratégia de comunicação online e offline.
Controlada pela Companhia Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD), da família Staub, a Gradiente apostará no desenvolvimento de notebooks e tablets para se diferenciar da concorrência. A companhia pretende começar com cerca de 30 mil tablets e, com o passar dos anos, ampliar a produção.

De acordo com um documento enviado à Secretária de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan), a produção total pode chegar a 120 mil unidades até 2013.
“No começo parecia tarefa difícil, e durante, também”, disse ontem Eugênio Staub, de 70 anos de idade, o fundador da companhia que se encontra em recuperação extrajudicial desde 2006, ao anunciar a conclusão do processo de reestruturação da empresa e de renegociação das dívidas. Entre bancos, fornecedores e fisco, a empresa contabiliza atualmente um passivo de R$ 520 milhões.

A antiga Gradiente, que detinha cerca de 15% do mercado brasileiro de áudio e vídeo há cinco anos, quando entrou em crise financeira, reaparece repaginada no País. Agora, a empresa é formada por quatro investidores – três ligados a empresas públicas e um parceiro privado -, sob a denominação CBTD.

O negócio recebeu aportes da Agência de Fomento do Estado do Amazonas, da Petros (fundo de pensão dos empregados da Petrobrás), da Funcef (fundo de previdência dos funcionários da Caixa) e da empresa americana Jabil, fabricante de eletroeletrônicos. A Jabil está no País desde 2001, produzindo para outras marcas do setor.

Juntos, os quatro investidores vão aplicar R$ 68 milhões na companhia, com aporte de R$ 17 milhões cada. Com isso, ficarão com 60% da CBTD. Os 40% restantes, de acordo com Staub, presidente do conselho de administração da nova empresa, ficarão divididos entre a família Staub, controladora da antiga Gradiente, e os cerca de 2 mil acionistas minoritários.

Eugênio Staub Filho, um dos negociadores da reestruturação e membro do conselho da nova empresa, explicou que a família Staub e os minoritários entraram no negócio sem aporte de capital. A contribuição foi o arrendamento da marca, avaliada em US$ 223 milhões, da fábrica e de outros ativos por nove anos para a nova companhia. A receita do novo negócio será usada para quitar dívidas, também renegociadas por nove anos.

Fontes: Exame, Estadão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s