Introdução ao ActionScript 3.0

Vantagens do ActionScript 3.0
O ActionScript 3.0 vai além dos recursos de script de suas versões anteriores. Ele foi criado para facilitar a criação de
aplicativos altamente complexos com grandes conjuntos de dados e bases de código reutilizáveis orientadas a objetos.
Embora o ActionScript 3.0 não seja necessário para o conteúdo executado no Adobe Flash Player, ele permite
melhorias de desempenho que só estão disponíveis com a AVM2, a nova máquina virtual. O código do ActionScript
3.0 pode ser executado até 10 vezes mais rápido do que o código do ActionScript existente.
A versão antiga da AVM1 (ActionScript Virtual Machine) executa os códigos ActionScript 1.0 e ActionScript 2.0. As
versões 9 e 10 do Flash Player oferecem suporte a AVM1 para compatibilidade com conteúdo existente e herdado de
versões anteriores.

Novidades do ActionScript 3.0
Embora contenha muitas classes e recursos que parecerão familiares aos programadores do ActionScript, em termos
de arquitetura e conceito, o ActionScript 3.0 é diferente de suas versões anteriores. Os aprimoramentos do
ActionScript 3.0 incluem novos recursos da linguagem central e uma API do Flash Player melhorada que fornece mais
controle sobre objetos de baixo nível.
Nota: Os aplicativos do Adobe® AIR™ também podem usar as APIs do Flash Player.
Recursos da linguagem central
A linguagem central define os blocos de construção básicos da linguagem de programação, como instruções,
expressões, condições, loops e tipos. O ActionScript 3.0 contém vários recursos novos que aceleram o processo de
desenvolvimento.
Exceções de tempo de execução
O ActionScript 3.0 relata mais condições de erros que suas versões anteriores. As exceções de tempo de execução são
usadas para condições de erro comuns, melhorar a experiência de depuração e permitir o desenvolvimento de
aplicativos que manipulam erros de forma robusta. Os erros de tempo de execução fornecem rastreamentos de pilha
anotados com informações sobre o arquivo de origem e o número de linha, ajudando a detectar os erros rapidamente.
Tipos de tempo de execução
No ActionScript 2.0, as anotações de tipo eram basicamente um recurso de desenvolvedor; em tempo de execução,
todos os valores são tipificados dinamicamente. No ActionScript 3.0, as informações de tipo são preservadas em tempo
de execução e usadas para diversos fins. O Flash Player e o Adobe AIR fazem a verificação de tipos em tempo de
execução, melhorando a segurança de tipos do sistema. As informações sobre tipo também são usadas para retratar
variáveis em representações, melhorando o desempenho e reduzindo o uso de memória.
Classes seladas
O ActionScript 3.0 apresenta o conceito de classes seladas. Uma classe selada possui apenas o conjunto fixo de
propriedades e métodos que foram definidos em tempo de compilação e não é possível adicionar outros. Ela permite
uma verificação em tempo de compilação mais rígida, resultando em programas mais robustos. Ela também melhora
o uso de memória por não exigir uma tabela de hash interna para cada ocorrência de objeto. As classes dinâmicas
também são possíveis usando a palavra-chave dynamic. Todas as classes no ActionScript 3.0 são seladas por padrão,
mas podem ser declaradas para se tornar dinâmicas com a palavra-chave dynamic.
Fechamentos de método
O ActionScript 3.0 permite um fechamento de método que lembra automaticamente de sua ocorrência de objeto
original. Esse recurso é útil para a manipulação de eventos. No ActionScript 2.0, os fechamentos de método não
lembravam de qual ocorrência de objeto tinham sido extraídos, gerando um comportamento inesperado quando o
fechamento de método era invocado. A classe mx.utils.Delegate era uma solução conhecida, mas não é mais necessária.
ECMAScript para XML (E4X)
O ActionScript 3.0 implementa o ECMAScript para XML (E4X), recentemente padronizado como ECMA-357. O E4X
oferece um conjunto fluente de construções de linguagem para manipular XML. Diferentemente das APIs tradicionais
de análise de XML, o XML com E4X funciona como um tipo de dados nativo da linguagem. O E4X simplifica o
desenvolvimento de aplicativos que manipulam XML, reduzindo drasticamente a quantidade de código necessária.

• Em geral, os arquivos SWF escritos no ActionScript 1.0 ou 2.0 devem ser migrados para trabalhar com os arquivos
SWF escritos no ActionScript 3.0. Por exemplo, digamos que você criou um player de mídia usando o ActionScript
2.0. Ele carrega vários conteúdos que também foram criados usando o ActionScript 2.0. Se você criar um novo
conteúdo no ActionScript 3.0, não poderá carregá-lo no player de mídia. Será necessário migrar o player de vídeo
para o ActionScript 3.0.
Se, no entanto, você criar um player de mídia no ActionScript 3.0, ele poderá executar carregamentos simples do
seu conteúdo do ActionScript 2.0.
As tabelas a seguir resumem as limitações das versões anteriores do Flash Player em relação ao carregamento de novo
conteúdo e execução de código, bem como as limitações de scripts entre arquivos SWF escritos em versões diferentes
do ActionScript.

Sem título

Na tabela a seguir, “Funcionalidade com suporte” refere-se ao conteúdo executado no Flash Player 9 ou posterior. O
conteúdo executado no Flash Player 8 ou anterior só pode ser carregar, exibir, executar e cruzar scripts no ActionScript
1.0 e 2.0.

Sem título2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s