Manipulando arquivos 7z no Linux


Para compactar ou descompactar arquivos 7z nas distribuições Linux é necessário possuir o pacote p7zip instalado no sistema, para descobri se este pacote já está instalado execute o comando whereis p7zip. Se não retornar resultado, é porque você não o possui instalado.

Para instalá-lo, execute o comando abaixo conforme sua distribuição:

Slackware

# wget -c http://repository.slacky.eu/slackware-13.0/system/p7zip/9.04/p7zip-9.04-i486-2sl.txz

# installpkg p7zip-9.04-i486-2sl.txz

Debian/Ubuntu

# apt-get install p7zip

Fedora/CentOS/Red Hat

# yum install p7zip

openSUSE

Instalação pelo YasT

# yast -i p7zip

Instalação pelo Zypper

#zypper install p7zip

Após a instalação, é só digitar os comandos para compactar/descompactar os arquivos

Descompactar:

$7za e arquivo.7z

Compactar:

$7za a arquivo.7z pasta-arquivos_compactar

O parâmetro e descompacta. Já o parâmetro a compacta.

Lembrando que, uma vez instalado, a compactação/descompactação também pode ser feito via interface gráfica clicando com o botão direito do mouse e selecionando a opção Comprimir.

Instalando o VirtualBox no Fedora


O VirtualBox é uma poderosa ferramenta de virtualização utilizada tanto por empresas quanto usuários domésticos.

A ferramenta suporta diversos sistemas operacionais convidados, entre eles:

  • Windows 3.x
  • Windows NT 4.0
  • Windows 2000
  • Windows XP
  • Windows Server 2003
  • Windows Server 2008
  • Windows Server 2008 R2
  • Windows Vista
  • Windows 7
  • MS-DOS
  • Linux
  • Solaris
  • OpenSolaris
  • OpenBSD

Neste post mostrarei como efetuar a instalação do VirtualBox no Fedora 12 e superiores, CentOS e Red Hat Enterprise Linux (RHEL) a partir da versão 5.6.

Continue lendo “Instalando o VirtualBox no Fedora”

Atualizar o Grub 2 (update-grub) no Fedora 16


Quem usa Ubuntu tenta:

# update-grub

E recebe um “comando não encontrado”. Por quê? Porque o update-grub do Ubuntu é um script que o Fedora não tem. E fornecer a solução mais simples para transplantar o update-grub para o Fedora é o objeto desta dica. Vamos a ela, então. Continue lendo “Atualizar o Grub 2 (update-grub) no Fedora 16”

Placas Broadcom no Fedora 15/16


Olá, neste post mostrarei como ativar as placa wireless BCM4313 da Broadcom no Fedora 15 e 16.

Inicialmente verifique o modelo da placa do seu notebook utilizando o comando:
# lspci | grep -i broad
que no meu caso gerou o seguinte resultado:

12:00.0 Network controller: Broadcom Corporation BCM4313 802.11b/g/n Wireless LAN Controller (rev 01)

Após isso devemos configurar os repositórios free e non-free do rpmfusion
rpmfusion-free http://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-stable.noarch.rpm
rpmfusion-nonfree http://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-stable.noarch.rpm

Caso queira instalar por linha de comando, informe o comando:
#rpm -Uvh <url> Agora instale os pacotes:
# yum install -y broadcom-wl kmod-wl Agora é só carregar o módulo da placa:
# modprobe wl
Pronto, agora é só conectar à rede e sair navegando, caso ainda não seja reconhecida nenhuma rede sem fio (se houver alguma ativa), basta reiniciar a máquina e conectatar.

Até a próxima

Instalação do Tomcat 7 e Java JDK 1.7 no CentOS, Fedora e Red Hat


Neste post mostrarei como instalar e configurar o Java JDK 1.7 e o Apache Tomcat 7.0 no  Fedora, CentOS e Red Hat Enterprise Linux (RHEL).

Para executar o Tomcat 7.0 é necessário ter ao menos a versão 1.6 do Java JDK.

Baixando e instalando o JDK 1.7

Baixe a versão mais atualizada do kit de desenvolvimento aqui

De preferência, baixe o arquivo compatível com sua arquitetura (32 ou 64 bits) com a extensão .tar.gz, no meu caso, eu baixei o arquivo jdk-7u3-linux-x64.tar.gz pois meu computador é 64 bits.

Continue lendo “Instalação do Tomcat 7 e Java JDK 1.7 no CentOS, Fedora e Red Hat”

Recompilando o kernel no Fedora


Por que devo compilar meu kernel?

Grande parte dos usuários usuários não tem necessidade de compilar seu próprio kernel. O kernel que que costuma vir por padrão em quase todas as distribuições são preparados para funcionar em uma gama enorme de hardwares e condições adversas. Recomenda-se, no entanto, a compilação do kernel para assegurar que seu Linux é otimizado às necessidades do ambiente em que o sistema irá funcionar. Empresas que trabalham com alta demanda e necessitam de sistemas personalizados, usualmente recompilam seus kernels de modo a otimizar o hardware que têm à disposição. O processo de compilação é, de certa forma, simples e envolve passos bem documentados, mas em distribuições como Fedora, CentOS, Suse e Mandriva que se baseiam em pacotes rpm, é altamente aconselhável gerar os pacotes nesse formato para o kernel em vez de simplesmente compilá-lo e instalá-lo a partir do código fonte, uma vez que estes sistemas são construídos para trabalhar e gerenciar RPMs.

Continue lendo “Recompilando o kernel no Fedora”

Como extrair um arquivo .rar no fedora


Instale o Unrar utilizando o comando:

yum install unrar

Já está instalado, agora para extrair digite o seguinte comando no terminal unrar x arquivo.rar ou simplestente clique com o botão direito no arquivo e em extrair.

Caso a instalação não tenha dado certo utilizando o yum install unrar utilize o método abaixo:

Baixe neste link o Rarlinux. Após o download ser efetuado descompacte-o.

# tar -xvzf rarlinux-3.7.1.tar.gz

Mova o diretorio descompactado (rar) para /usr/local
# mv rar /usr/local/

Va para o diretorio /usr/local/bin
# cd /usr/local/bin

Crie um link para o unrar
# ln -s /usr/local/rar/unrar

Pronto!! Agora é possível descompactar arquivos com a extensão .rar.

Fonte: http://algoritmizando.com/software-livre/linux/dica-rapida-como-extrair-arquivos-com-extensao-rar-no-fedora/

O que esperar do Fedora 17?


Os membros do Fedora Engineering Steering Committee (FESCo), responsáveis por decisões dos aspectos de desenvolvimento técnico do Fedora, aceitaram uma série de novos recursos propostos pelos desenvolvedores da distribuição Linux para sua versão 17. No estado atual das coisas, o projeto planeja tentar novamente migrar o sistema de arquivos padrão para Btrfs na nova versão da distribuição, com lançamento programado para maio de 2012. Essa mesma transição foi discutida para o Fedora 16, mas foi adiadapois o sistema de arquivos não atendeu aos critérios essenciais para permitir a mudança. Por exemplo, a existência de uma ferramenta capaz de conferir e reparar partições Btrfs; tal ferramenta ainda é um requisito, e sua ausência pode fazer com que o projeto adie mais uma vez a transição.

A lista de novos recursos aceitos para o Fedora 17 inclui também o plano para armazenar todos os aplicativos e bibliotecas sob o diretório /usr/. Isso significa que os diretórios /lib/, /lib64/, /bin/ e /sbin/ se tornarão obsoletos; contudo, por razões de compatibilidade, esses diretórios serão substituídos com o vínculos simbólicos apontados para os subdiretórios apropriados do /usr/. Essas medidas de reestruturação permitirão a geração de instantâneos (snapshots) atômicos do sistema de arquivos quando são realizadas atualizações; isso permitirá que usuários que encontrarem dificuldades com as atualizações possam retornar à antigas versões do sistema, sem perder quaisquer alterações que tenham realizado nos diretórios /etc/ e /var/. Também tornará mais simples integrar o /usr/ em modo somente leitura (read-only) ou acessar um compartilhamento /usr/ de múltiplos sistemas. O diretório usr pode ser armazenado em um disco separado mas deve ser montado pelo initramfs quando o sistema é inicializado. Os desenvolvedores voltaram atrás em seu plano original de eliminar, também, a diferenciação entre os diretórios /usr/bin/ e /usr/sbin/.

Com a versão 17, os desenvolvedores do Fedora também planejam remover o ConsoleKit e, ao mesmo tempo, introduzir suporte automático a “multi-seat”. Também estão nos planos que todos os serviços sejam inicializados através do gerenciador systemd, e que o GNOME Shell seja funcional em sistemas sem aceleração 3D.

Fonte: http://www.linuxnewmedia.com.br/lm/noticia/o_que_esperar_do_fedora_17

Skype no Fedora 16 64bits


Se você instalou o fedora 64 bits feliz da vida, ficou encantado com o gnome shell, como eu fiquei, e pensava que o skype seria molezinha. bem, resposta errada.

A instalação do skype é tranquila, não precisei instalar dependência alguma, mas instalar é uma coisa, executar é outra completamente diferente… Continue lendo “Skype no Fedora 16 64bits”